Plano de partido único do centro, com PSDB, DEM e PSD, enfrenta resistência

A criação de um partido único de centro é ideia que empolga diversas lideranças, João Doria (PSDB) e Rodrigo Maia (DEM) à frente, mas enfrenta resistências fortes por parte das principais siglas envolvidas na discussão.
Folha conversou com líderes tucanos, do DEM e do PSD, agremiações que formariam o núcleo do novo partido.
O diagnóstico é semelhante: é algo impossível ocorrer para o pleito municipal de 2020 e muito difícil para a eleição presidencial de 2022, quando uma frente contra Jair Bolsonaro (PSL) e a esquerda surge como hipótese mais provável.
A fusão, num cenário com 30 partidos com representação na Câmara dos Deputados, sempre pareceu lógica.
No mês passado, durante evento de estreia do deputado Alexandre Frota (SP) na bancada do PSDB em Brasília, o presidente da Casa, Maia, pediu a palavra quando o tema surgiu numa entrevista.
Disse que o fim das coligações em eleições proporcionais, que começa a valer em 2020, levaria à união entre DEM e os tucanos. Ao seu lado, o governador Doria (SP), principal interessado no arranjo.
O tucano trabalha para se viabilizar como candidato à sucessão de Bolsonaro, tentando afastar a imagem de político próximo ao então presidenciável no segundo turno de 2018 —o voto BolsoDoria.
Uma musculatura partidária que incluísse DEM e PSD, fora siglas menores, está no radar de seus estrategistas.
A virtude dos partidos como pretendentes a cortejar é a mesma que os faz serem refratários a tal acordo agora.
O maior ceticismo vem do DEM, paradoxalmente dadas as declarações de Maia. Seu presidente, ACM Neto, já disse ser contra a fusão.
Dirigentes do partido explicam: a sigla é forte no Nordeste, em especial na Bahia, onde ACM Neto é prefeito em segundo mandato. Além disso, o partido mira de oito a dez capitais na eleição de 2020.
Assim, negociar fusão só faria sentido após o pleito de 2020, numa posição de força —o partido já comanda as duas Casas do Congresso e tem peso em ministérios importantes do governo Bolsonaro, como o da Saúde.
Há também um ressentimento em relação ao que consideram arrogância paulista do PSDB. Um dirigente lembra que os tucanos não têm mais a força que tinham nas gestões de Fernando Henrique Cardoso (1995-2002).
Argumento semelhante é ouvido no PSD. A sigla se fortaleceu com dois senadores neste ano e, principalmente, filiando o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, a seu time.
Esse movimento mineiro será reforçado em breve pela provável adesão do senador Antonio Anastasia ao partido.
O ex-governador é figura de proa em articulações no estado e sua eventual saída do PSDB selará o afastamento de um antigo aliado, o deputado Aécio Neves, de quem também foi vice-governador.
Este é um acerto que agrada a Doria, dado que o governador não conseguiu ver Aécio, tóxico politicamente depois de se ver envolvido na delação da JBS, expulso do PSDB. Enfraquecer sua base é um caminho alternativo a seguir.
Nas contas do PSD, portanto, também não faz sentido pensar em aliança antes de ver assegurada a reeleição de Kalil, entre outras disputas.
O partido também aposta que seu pré-candidato em São Paulo, Andrea Matarazzo, será muito competitivo caso consiga ir ao segundo turno na hoje embolada corrida eleitoral.
Resta, obviamente, o problema de chegar lá num cenário altamente fragmentado.
Os tucanos próximos de Doria, por sua vez, acreditam que depois do rearranjo de 2020 será possível retomar com força a discussão de um partido, por mais que os aliados prefiram falar em uma frente.
Um de seus dirigentes afirma que é natural a resistência ao projeto, mas que a gravidade imposta pelo nome de Doria acabará falando mais alto.
Por mais que rejeite falar em candidatura em 2022, o governador hoje é o político de expressão nacional com projeto de poder mais claro, ainda que enfrente oposição aberta de alas de seu próprio partido —foi derrotado na Executiva Nacional em sua tentativa de remover Aécio da sigla.
Um político do DEM crê que, com o grau de turbulência do governo Bolsonaro, a chamada velha política terá a oportunidade de voltar a dar as cartas a partir do ano que vem e tende a chegar forte a 2022.
Só não sabe se o nome para isso seria o do tucano ou o de um outsider como o apresentador da Rede Globo Luciano Huck, que interessa ao grupo que orbita FHC, mas que gera suspeitas sobre a real intenção de entrar no jogo na hora H.
Outro fator de incerteza, todos concordam, é o desempenho de Bolsonaro. Mesmo com muito tempo de governo à frente, parece improvável arrumação política, mas eventual melhora econômica é algo que ninguém descarta.
Esse fator reforça o discurso de alguns aliados de Doria, que defendem a criação de um polo político alternativo a Bolsonaro, sem oposição econômica, o que demandaria uma costura política antecipada.
Já outros, em especial entre os relutantes aliados tucanos, preferem esperar para ver.
FOLHAPRESS

Share this

Related Posts

Compartilhe esta postagem