Mais Médicos era ‘convênio entre Cuba e PT’, diz futuro ministro da Saúde


O deputado federal Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS), futuro ministro da Saúde do governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), afirmou nesta terça-feira, 20, que o programa Mais Médicos era um convênio entre Cuba e o PT, e não entre os dois países, além de dizer que “as improvisações em saúde costumam terminar mal”, referindo-se ao projeto implantado durante o mandato de Dilma Rousseff (PT).
“Esse era um dos riscos de se fazer um convênio e terceirizar uma mão-de-obra tão essencial. Me pareceu muito mais um convênio entre Cuba e o PT, e não entre Cuba e o Brasil, porque não houve uma tratativa bilateral, mas sim uma ruptura unilateral. (A ruptura) era um risco para o qual a gente já alertava no início. Precisamos de políticas que sejam sustentáveis.
As improvisações em saúde costumam terminar mal, e essa não foi diferente das outras”, disse ao deixar o Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em Brasília, sede da equipe de transição, após ser anunciado futuro ministro da pasta.
Veja

Share this

Related Posts

Compartilhe esta postagem