Contra rejeição, Bolsonaro chora na TV e Haddad diz que não faz ‘campanha de um partido’

Os dois candidatos à Presidência tentaram, em seus primeiros programas eleitorais de segundo turno, exibidos na televisão nesta sexta-feira (12), reduzir os pontos que levam os eleitores a rejeitá-los.
Jair Bolsonaro (PSL), que busca o eleitorado feminino, chorou ao falar de sua filha caçula, Laura, a primeira após ser pai de quatro filhos.
O candidato reutilizou um vídeo que já havia publicado na internet sobre como decidiu que iria ser pai novamente: afirma que decidiu desfazer uma vasectomia. “Mudou muito a minha vida a chegada da Laura”, afirmou.
Enquanto isso, Fernando Haddad (PT) apostou suas fichas em conquistar o apoio do eleitor antipetista. Falando em direção ao vídeo, disse que sua “campanha não é de um partido, é de todos os que querem mudar o país”. Pediu o voto de “todos que são a favor da democracia”.
Ambas as campanhas dos presidenciáveis também tentaram colar no outro uma imagem negativa.
Enquanto o programa de Bolsonaro aponta para o risco de “venezualização” do Brasil com a volta do PT ao poder, o de Haddad relaciona o adversário à violência.
Bolsonaro divulgou uma fala de Lula que faz referência à criação de confiança para que os partidos de esquerda cheguem ao poder na América Latina.
Já na campanha petista são exibidas cenas em que Bolsonaro faz referência a armas com os dedos e o episódio em que ele ele disse que ia “fuzilar a petralhada” no Acre. Pela primeira vez, Haddad usou uma apresentadora para fazer críticas e propostas –como acontecia no programa de Geraldo Alckmin (PSDB).
Folhapress

Share this

Related Posts

Compartilhe esta postagem